Imany_what_the_france (1)
Set 03, 2021

Imany |O novo álbum de covers “Voodoo Cello”

Imany, A cantora de soul franco-comoriana está a lançar o seu novo álbum de covers chamado Voodoo Cello na editora francesa Think Zik! Oito violoncelistas e uma voz é tudo o que Imany precisa para este álbum. A sua atracção pelo violoncelo começou há dez anos quando ouviu o encantador tributo do Vitamin String Quartet.

 

Nadia Mladjao é bastante versátil. Como filha de uma grande família comoriana, aprendeu desde cedo a afirmar-se e a lutar pelo seu lugar. Ela começou a sua carreira como modelo em Nova Iorque antes de ser irresistivelmente atraída pela música. Mas Nadia só revelou o seu verdadeiro potencial quando adoptou o nome artístico Imany. Lançou dois álbuns, The Shape of a Broken Heart (2011) e The Wrong Kind of War (2016), que misturam soul e folk com o seu incrível temperamento. Com ‘Don’t Be So Shy’, Imany também escreveu um hino de poder feminino para o filme ‘Sous les jupes des filles’ da realizadora francesa Audrey Dana de 2014. Agora, para o seu álbum de capa Voodoo Cello, ela está rodeada por oito violoncelistas e faz de cada canção a sua própria canção.

Oito violoncelistas e uma voz, nunca visto. Para o seu novo trabalho, Imany sentiu que o cellos combinado com um simples acompanhamento vocal seria mais do que suficiente. Nos últimos anos, tem estado ocupada a actuar, trabalhando em vários projectos, dando à luz à uma criança e sofrendo de burn-out. Como resultado, fazer uma pausa permitiu-lhe descansar e acabou por inspirar o seu novo álbum. Oito violoncelos oferecem uma variedade de possibilidades entre notas baixas e altas: “Por vezes fica-se com a impressão de que são instrumentos de latão ou guitarras eléctricas… É como se fossem fantasmas”, diz Imany, que se encanta com este instrumento fascinante e incompreendido e que lhe está agora a prestar homenagem com uma série de covers. Pode pensar nisto como vudu. E porque o “Voodoo Child” de Jimi Hendrix soa tão bem, o álbum chama-se “Voodoo Cello”.

A selecção de canções inclui tanto clássicos que Imany interiorizou durante muito tempo como os favoritos actuais: “Uma cover é boa quando a canção se torna sua. Aproximo-me da canção com a minha voz e guitarra, encontro o tom certo, mudo o ritmo… e ouvir a letra da canção. Não consigo cantar palavras em que não acredito”. Para o cantor, era por vezes uma questão de tornar uma canção leve mais melancólica e vice-versa. Esta magia única funciona através de um som cuidadosamente trabalhado que também soa espontâneo, directo e cru, mas sem ser áspero, cristalino ou polido. Tudo se soma ao tipo de som que, quando o ouvimos, nos faz sorrir, nos toca, nos surpreende, nos faz dançar ou sonhar…

 

Ao reinterpretar estas canções, Imany expressa as suas próprias convicções sobre a vida e o amor. Ela canta sobre mulheres que lutam por relações (“All The Things She Said”), irmandade (“Wild World”), resiliência (“I’m Still Standing”), condena o racismo (“Black Little Angels”), o capitalismo tóxico (“The Water Thieves”), e danos causados pela droga (“The A Team”). Pode-se ouvir quanto Imany põe neste álbum, que é cheio de intensa e mínima beleza. “Oito violoncelos são oito almas a falar connosco”, revela ela. “Ou se ama ou se odeia”. É metafísico”! O feitiço é quebrado – estamos encantados.

WTF—Pochettes_jazz_1
Genres

Kiss my Jazz

Jam to the latest jazz hits made in France. Ouvir agora