md-one_what_the_france
Jun 01, 2021

MD ONE | Entrevista e novo álbum!

Por ocasião do lançamento do seu primeiro álbum Twelve Stars a 11 de Junho, What The France teve a oportunidade de falar com a dupla MD ONE, de Annecy (Sudeste de França). Aproveitámos a oportunidade para falar sobre as suas inspirações e ambições durante uma entrevista exclusiva. 

O M em MD ONE refere-se a Marc, o compositor e criador da banda. Ele é o alquimista e o ourives dos sons. Ele procura simplicidade, bem como força nos seus acordes e composições, que cria na guitarra e no teclado.

O D representa David, o letrista e cantor de MD ONE. A música e os sons inspiram as suas frases e palavras, ele gosta da forma como certas palavras evocam sentimentos e trazem sonhos à vida. David procura serenidade e espiritualidade, adora o palco e a relação única com o público.

ONE : A unidade é o que os caracteriza. Foi com esta mesma paixão que compuseram e entregam hoje o seu primeiro álbum, Twelve Stars, uma constelação de 12 faixas. O palco é a sua casa, dando vida aos seus sonhos.

MD ONE tornou-se sinónimo de canções poderosas em que o coração se expressa através das palavras. As palavras cantadas tropeçam e cintilam de alegria, tristeza, amor e melancolia.

Entrevista

Quando e como é que se conheceram, Marc e David? Porque escolheram fazer música juntos?

Marc: Conhecemo-nos quando estávamos no início dos nossos vinte anos para formar a nossa primeira banda. Muitas bandas jovens começam com covers, mas já, as composições estavam presentes nas nossas. Mais tarde, fiquei muito interessado na produção musical com o advento da música por computador. As primeiras composições de MD One vieram dela, David trouxe a sua voz sobre as orquestrações… Nasceu o duo.

David : Juventude, despreocupação, diversão e criatividade como leitmotiv, e a escrita como liberdade…

Como definiria a sua música? Quais são as suas principais fontes de inspiração musical?

Marc : Música progressiva, com muitas orquestrações, como o trip hop pode fazer, por exemplo. Música inspirada por imagens virtuais. Sou um grande fã do trabalho de Ennio Morricone, pela emoção que a sua música traz, cheia de melancolia, há também as linhas melódicas de Dépêche Mode e a sua capacidade de inovação sonora.

David : As minhas fontes de inspiração são múltiplas… as grandes bandas de rock e pop: U2, DM, Keane. Outros artistas de viagens, como Tricky para citar apenas um, e os grandes cantores como Piaf ou Brel.

O seu primeiro álbum, Twelve Stars, será lançado a 11 de Junho de 2021. A que se refere este título?

Marc: No início do projecto, não estabelecemos realmente um objectivo. A criação de um EP de 6 faixas foi até certo ponto razoável para uma primeira produção, mas à medida que as primeiras faixas avançavam, decidimos optar por um álbum completo de 12 faixas igualmente elegantes… Doze estrelas, uma constelação.

David: O título refere-se a uma constelação de 12 faixas com um significado místico oculto para mim… como na minha escrita, gosto que haja várias leituras possíveis num título ou num texto.

O vídeo para o seu primeiro single “Love Grows Every Day” foi gravado nos telhados de Londres, enquanto o vídeo para o seu segundo single “Bombe A” tem lugar à noite nas ruas de Berlim. As cidades parecem ter um papel importante no seu processo criativo, na sua estética e nas suas canções, pode dizer-nos mais?

Marc: Algumas das minhas composições têm sido inspiradas por certas viagens. A escolha do local depende do estado de espírito da canção.

David: Gosto de viajar e descobrir cidades e culturas que alimentam a minha inspiração. A abertura aos outros e a energia destas metrópoles são ingredientes inseparáveis no meu processo criativo, tive muitos grandes encontros através de todas estas experiências de vida e elas também contribuem para isso. A estética de Londres e Berlim também contou muito porque estas cidades correspondem à imagem que queremos transmitir ao nosso público.

Porque escolheu Berlim como o local para o vídeo Bombe A?

David et Marc : Pelo seu carácter subterrâneo, o lado vanguardista da cidade e a sua vida nocturna. Grandes nomes da música vieram aqui para inspiração, tais como David Bowie, Depeche Mode e U2.

Qual é a sua relação com o palco musical europeu?

Marc : Este é o nosso primeiro álbum, pelo que a nossa ligação com a cena europeia é ainda fraca. Para o futuro, imagino concertos em locais íntimos, próximos do público, que correspondem à atmosfera de Twelve Stars.

David : O palco é outra aventura musical, uma consagração na relação com o público. Gostaria que pudéssemos partilhar as nossas canções com um público tão grande e variado quanto possível, um público que temos de conquistar. Participar nos principais festivais europeus seria uma óptima forma de dar a conhecer a nossa música ao maior número de pessoas possível.

Colaborou com o realizador Serge Baio no seu filme Blessures, para o qual a sua faixa “Méandres de l’amour” (a ser lançada no álbum Twelve Stars) é a banda sonora. Que ligação faz entre a música e o cinema?

Marc : A ligação é fácil porque todas as canções de Twelve Stars foram compostas pela primeira vez como obras instrumentais. As linhas vocais vêm mais tarde para encantar a música e dar-lhe uma sensação de pop-rock. Cada uma das composições sobre Twelve Stars poderia fazer parte de uma banda sonora. Essa é a minha forma de compor: música à imagem.

David : De facto, algumas das canções poderiam ser associadas a obras de filmes instrumentais. No entanto, não creio que todos eles se enquadrem nesta lógica. Para mim, muitas das faixas do álbum foram criadas com uma abordagem pop. Comporto sempre as minhas melodias vocais com uma visão musical pop. Serge Baio tem sido meu amigo há muitos anos, o seu projecto tocou-me e o nosso também o convenceu, e foi aí que começou a nossa colaboração.

Como vê a sua carreira e a sua música evoluir no futuro?

Marc : Vejo que a nossa música está na vanguarda da tecnologia, equipamento e design de som. Vejo-me a criar novas canções na continuidade deste primeiro álbum, ao mesmo tempo que acentuo a mistura de géneros musicais. Para perpetuar e surpreender.

David : Gosto de me sentir livre e não tenho ambições particulares para a minha carreira como escritor e intérprete. Gosto de me deixar levar por projectos, situações positivas, encontros que me inspiram e pelo “bem”, um valor ao qual atribuo grande importância. A minha escrita e a minha interpretação são os catalizadores das muitas mensagens que gostaria de transmitir ao maior número de pessoas possível.

WTF—Pochettes_rock_5
Genres

Rock around the Eiffel

Discover the latest rock hits made in France. Ouvir agora