naissamjalal_what_the_france
Mar 17, 2021

Naïssam Jalal | Novo álbum e entrevista!

Naïssam Jalal lançou o seu álbum duplo, há muito esperado, Un Autre Monde. Um universo musical pessoal e animado que preenche a palavra liberdade com a vida, tanto em termos de conteúdo como en termos de forma.

Naïssam Jalal, uma notável flautista e compositora de origem síria, nasceu e cresceu nos subúrbios de Paris, e vem de uma família marcada pela paixão e curiosidade musical. Desde cedo, transcendeu a essência da música clássica europeia e árabe, a arte da improvisação do jazz, a acuidade do hip-hop, a euforia do funk e a vitalidade das tradições africanas, com um fino espírito de síntese e um toque altamente sensível. A carreira musical de Jalal está repleta de numerosos lançamentos discográficos notáveis e prémios de prestígio, tais como o Coup de Cœur de l’Académie Charles Cros (2017) e as Victoires du Jazz (2019). Olhando para o futuro, 2021 assistirá ao décimo aniversário do seu conjunto Rhythms of Resistance e ao lançamento do muito aguardado álbum duplo Un Autre Monde, parte do qual foi gravado ao vivo com a Orchestre National de Bretagne, e que inclui Rituels de Guérisons, um projecto gravado com o seu novo conjunto de quarteto.

Naïssam Jalal deu-nos uma entrevista nesta ocasião.

Entrevista

  • O seu novo álbum “Un autre monde” foi lançado a 5 de Fevereiro. Este título de álbum parece evocar o desejo de mudança, de fuga, a crítica do mundo actual. Poderia explicar-nos esta escolha? O que pretende transmitir através deste álbum? É um apelo à ajuda, à acção?

Hoje todos nós temos a sensação de que estamos a chegar ao fim de um ciclo, ao fim de uma era. O capitalismo, que durante dois séculos tendeu a gerar cada vez mais lucros, incessantemente, à custa das nossas vidas, está agora a pôr em perigo a sobrevivência da nossa espécie. O abismo cada vez mais indecente que nos separa dos detentores do poder político e financeiro, esgota-nos ao mesmo tempo que nos desespera. As nossas liberdades individuais e direitos sociais estão a desaparecer, e por toda a parte se estão a manifestar revoltas que põem as pessoas contra a repressão violenta. Demasiadas vezes, as nossas dificuldades em viver com dignidade geram um medo em que as ideologias fascistas e xenófobas se enraízam. Todos nós temos a sensação de que precisamos de imaginar outro mundo. Na minha música falo de mim mesmo. A escolha de chamar a este álbum “Un Autre Monde” é simplesmente a escolha de ser o mais sincero possível na expressão do que vive dentro de mim e do mundo à medida que me toca, me perturba, me magoa ou me intoxica. É tanto a história dos meus sentimentos, emoções, ansiedades e sonhos como um apelo à acção colectiva. Porque há muitos de nós que sentem o que eu sinto.

  • Este álbum duplo foi gravado com o seu quarteto, Rhythm of Resistance, e com a Orchestre National de Bretagne. Deve ser bastante diferente tocar com a sua banda durante 10 anos, por um lado, e com uma orquestra sinfónica, por outro. Quais são os seus métodos de trabalho com os dois grupos? E talvez tenha uma preferência? 

Esta é a minha primeira experiência de escrita para uma orquestra sinfónica. Já tinha tido a oportunidade de escrever arranjos das minhas composições para um quarteto de cordas. Tive também a experiência de tocar numa orquestra sinfónica durante os muitos anos no conservatório. Mas escrever para tantas secções diferentes foi um verdadeiro desafio! No meu trabalho com a orquestra sinfónica, fiz a escolha de manter o quinteto presente. O meu quinteto é muito importante para mim. Há muitos anos que tocamos juntos e a confiança e respeito que nos une é extremamente preciosa para assumirmos riscos na música, para nos ultrapassarmos a nós próprios e irmos além dos nossos limites. A minha música é muito complexa ritmicamente e os músicos clássicos não estão habituados a tocar e a pensar em complicadas camadas rítmicas. Para facilitar as coisas, dividi a orquestra por quatro, ou seja, há o mesmo número de carteiras mas apenas um quarto dos músicos de modo a ganhar em mobilidade. Falei desta decisão com um musicólogo e ele disse-me que Bela Bartok, por razões rítmicas, também tinha tomado a mesma decisão em várias ocasiões. Isto reforçou a minha decisão. A escolha de Zahia Ziouani como maestro da sinfonia foi muito importante. O seu envolvimento e empenho permitiram que o projecto se concretizasse e que os músicos da orquestra interpretassem correctamente a música.

  • Não é apenas flautista, mas também compositora. Já tocou em vários géneros musicais, do jazz ao hip hop e ao funk… Quais são as suas inspirações artísticas, as suas influências musicais, para compor as suas obras? 

Sou influenciado por muitas línguas musicais. A música clássica é a primeira base do meu curso, mas quando descobri a improvisação, ouvi e toquei pela primeira vez muito funk e hip hop. Depois fui estudar em Damasco e no Cairo, onde vivi durante três anos. A música árabe clássica e alguma música árabe tradicional influenciam muito fortemente o meu vocabulário. Estou também muito inspirada pela música Mandinga e, de um modo mais geral, pela música do Sara e da África Ocidental. A música hindustani ocupa também um lugar importante na minha imaginação musical.

  • Tem saudades do palco nestes tempos de pandemia? Como vive agora a sua arte? Como se encara a retoma após este período perturbado? 

Tenho muitas saudades do palco, tenho mesmo que o dizer. Não estou a temer o regresso, estou ansiosa por isso.

Um grande obrigado a Naïssam Jalal por responder às nossas perguntas!

WTF—Pochettes_world_3
Genres

Around The World

Explore the latest world music hits made in France. Follow us for weekly updates ! Ouvir agora